Ser Odebrecht Agro é poder cada vez mais contribuir para o sucesso da Empresa em busca de superação das nossas metas com espirito positivo e construtivo, gerando resultados cada vez maiores e melhores para a Organização. Acima de tudo, ser Odebrecht Agro é valorizar as famílias, ter respeito, integridade e disciplina.

Tatiane Pereira

Desenvolvimento
Local

Ser Odebrecht Agro é poder cada vez mais contribuir para o sucesso da Empresa em busca de superação das nossas metas com espirito positivo e construtivo, gerando resultados cada vez maiores e melhores para a Organização. Acima de tudo, ser Odebrecht Agro é valorizar as famílias, ter respeito, integridade e disciplina.

Tatiane Pereira

<Impacto Ambiental>Ética, Transparência e Integridade

Desenvolvimento Local

O relacionamento da Odebrecht Agroindustrial com as Comunidades dos municípios das regiões em que estão localizadas nossas Unidades é direcionado pela Política sobre Sustentabilidade da Organização Odebrecht e pela Diretriz de Sustentabilidade da Odebrecht Agroindustrial. Entre suas premissas, destacam-se o fortalecimento da cidadania, a promoção da educação e da qualificação profissional, o fomento a iniciativas de geração de renda e oportunidades de trabalho e a contribuição para a inclusão social e o desenvolvimento sustentável regional. G4-SO1Clique e tenha mais informações sobre esse aspecto no Complemento GRI

Os investimentos sociais que realizamos são agrupados nos programas Acreditar/Acreditar Jr., Energia Social e Broto de Gente. Por meio deles, apoiamos diferentes iniciativas desenvolvidas por organizações locais que contribuam para a geração de valor local.

 

Programa Acreditar Jr.

Investimos aproximadamente
R$ 9.5
milhões
no Acreditar Jr.

39.8
mil
horas de capacitação

 

Lançado durante a safra 2014/2015, o programa Acreditar Jr. promove a capacitação profissional de jovens entre 17 e 22 anos que moram nas Comunidades próximas às nossas Unidades. Os participantes são sempre indicados pelos Integrantes da Odebrecht Agroindustrial e o processo de seleção conta com provas, dinâmicas e entrevistas. Depois de aprovados, os selecionados são contratados como Aprendizes e passam a fazer parte de um programa específico de formação.

Na última safra, investimos aproximadamente R$ 9,5 milhões no Acreditar Jr. e 219 jovens foram beneficiados com cerca de 39,8 mil horas de capacitação. Três turmas foram concluídas no primeiro semestre de 2016 e 23 alunos (45% dos formados) foram contratados pela Empresa.

O programa de capacitação tem duração de um ano e meio e envolve três estágios:

  • Módulo Institucional: focado na disseminação da Tecnologia Empresarial Odebrecht (TEO) e na formação em aspectos comportamentais.
  • Módulo Teórico: grade curricular customizada de acordo com as necessidades de cada Unidade da Empresa. Esse módulo é aplicado pelas unidades regionais do Senai, que também monitoram a conduta e o desempenho dos alunos por meio de avaliações.
  • Módulo Prático: inserção dos jovens na rotina das operações agrícolas e industriais, sob supervisão dos líderes operacionais e pontos focais da área de Pessoas & Organização.

A formalização do vínculo dos participantes como Aprendizes ao longo do programa garante a remuneração de acordo com os parâmetros legais previstos para menores aprendizes e promove o desenvolvimento local e a disponibilidade de mão de obra qualificada para a Empresa.

Programa Energia Social

Implementado em 2009, o programa Energia Social para Sustentabilidade Local abrange os investimentos e iniciativas voltadas para o desenvolvimento sustentável das Comunidades próximas às nossas Unidades. Na safra 2015/2016, investimos R$ 1,8 milhão, beneficiando 18,3 mil pessoas por meio dos projetos realizados nas Comunidades. Desde sua criação, o Energia Social já investiu cerca de R$ 20 milhões em 72 projetos, com mais de 135 mil beneficiados.

O modelo de governança do Energia Social é participativo e promove, periodicamente, a inclusão do poder público local e de lideranças comunitárias na identificação das demandas e na definição dos projetos a serem realizados, de acordo com as diretrizes estratégicas da Empresa. Dessa forma, os moradores da região tornam-se protagonistas do processo de decisão e os investimentos conseguem atender, com agilidade, as principais demandas de cada Comunidade. G4-25Clique e tenha mais informações sobre esse aspecto no Complemento GRI G4-26Clique e tenha mais informações sobre esse aspecto no Complemento GRI

Nos municípios, o programa conta com um Conselho Comunitário e quatro Comissões Temáticas: Cultura; Educação; Atividades Produtivas; e Saúde, Segurança e Preservação Ambiental. Os projetos concluídos nesta safra (veja alguns exemplos no quadro) são acompanhados pelas Comissões e monitorados por indicadores que consideram, entre outros aspectos, as diretrizes para investimento social privado da International Finance Corporation (IFC) do Banco Mundial.

Cultura

  • Construção do Auditório Cultural e Ambiental Valdir Justino de Almeida, localizado dentro do Parque Municipal Salto do Sucuriú, em Costa Rica (MS), disponibilizando à Comunidade um espaço para a disseminação de cultura e a conscientização ambiental.

Educação

  • Reforma e ampliação de duas escolas municipais de educação infantil em Mineiros (GO), ofertando 168 novas vagas.
  • Aquisição de móveis e equipamentos para o Centro de Educação Infantil Sonho Meu, em Costa Rica (MS).
  • Formação técnica profissionalizante de 236 pessoas em Alto Taquari (MT), em parceira com o Senai, por meio do projeto Qualifica Taquari.
  • Formação do Conselho Tutelar em Cachoeira Alta (GO), fortalecendo a proteção aos direitos de crianças e adolescentes.

Atividades Produtivas

  • Construção da Casa Amas (Associação das Mulheres Assentadas da Região do Pontal do Paranapanema) em Mirante do Paranapanema (SP), onde serão desenvolvidos projetos em saúde, cultura, educação e geração de renda para as famílias de assentamentos da região.

Saúde, Segurança e Preservação Ambiental

  • Reativação da Oficina dos Sonhos integrada à Escola de Artes em Costa Rica (MS), que promove atividades artísticas e socioeducativas a jovens, em especial aqueles que cometeram atos de infração legal, visando sua reinserção e a prevenção contra o uso de drogas.
  • Implantação do Núcleo Florestinha, em Costa Rica (MS), para promover a educação ambiental de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

Programa Broto de Gente

Localizada no Mato Grosso do Sul, a Associação Broto de Gente é apoiada pela Unidade Eldorado e tem como objetivo diminuir a vulnerabilidade social de crianças e adolescentes por meio de atividades realizadas no contraturno escolar e que promovem o desenvolvimento cognitivo, psicológico e pedagógico.

Nos dias úteis, os alunos participam de atividades como oficinas pedagógicas de leitura, aulas de inglês, práticas esportivas, cursos de dança, teatro e coral. Com isso, as crianças e jovens são conscientizados de seu papel transformador na sociedade e começam a ser preparados para o mercado de trabalho. Em 2016, os jovens beneficiados pelo Broto de Gente poderão participar da seleção para o Programa Acreditar Jr., evolução que visa integrar as ações sociais promovidas pela Empresa e dar a oportunidade aos jovens de ingressarem na Odebrecht Agroindustrial.

Na safra 2015/2016, foram destinados R$ 441 mil ao projeto, que atendeu 210 crianças – 78 delas são filhos de Integrantes da Empresa. Com investimentos de R$ 3,44 milhões, o Broto de Gente já beneficiou, em dez anos, 2.260 pessoas entre 6 e 15 anos, entre filhos de Integrantes e moradores dos municípios de Deodápolis, Lagoa Bonita, Presidente Castelo, Vila União e Porto Vilma.

Gestão do Impacto Social

Investimos 
R$ 13.5
milhões
na construção de
dois viadutos

workshops
internos para mapear riscos e impactos de nossas atividades

Na última safra, investimentos ainda R$ 13,5 milhões na construção de dois viadutos que facilitam o acesso a nossos Polos Santa Luzia e Eldorado, o que resultará em significativas melhorias na segurança dos usuários das rodovias após a conclusão das obras. Uma das pontes está localizada na BR-267 e suas obras foram iniciadas em dezembro de 2014, e a outra, concluída após um ano, beneficia os usuários da rodovia MS-145. Essas benfeitorias, por outro lado, tiveram como impactos a supressão da vegetação local (compensada com o plantio de mil mudas de árvores) e o desvio momentâneo da rota da rodovia para a execução das obras (mitigado pela implantação de sinalização adequada a fim de diminuir o risco de acidentes). G4-EC7Clique e tenha mais informações sobre esse aspecto no Complemento GRI

Além disso, para aprimorar a gestão de nossos impactos sociais, realizamos na safra 2015/2016 um ciclo de workshops internos, nos quais todas as áreas da Empresa foram envolvidas para mapear os riscos e impactos – potenciais e reais – de nossas atividades sobre as Comunidades locais e estruturar planos de ação e mitigação relacionados a esses aspectos. Entre as conclusões desse processo, destacamos: G4-SO2Clique e tenha mais informações sobre esse aspecto no Complemento GRI

  • Controle da mosca dos estábulos: o inseto apresenta risco de prejudicar a produção leiteira e o ganho de peso do gado nas fazendas de pecuária bovina, e suas larvas podem se proliferar na torta de filtro (resíduo sólido da filtragem do caldo de cana-de-açúcar) e na palha misturada com a vinhaça. Nosso Plano de Aplicação da Vinhaça (PAV) inclui medidas para otimizar a utilização do insumo e evitar áreas de proliferação da mosca. Além disso, atuamos em parceria com as propriedades vizinhas às nossas Unidades para realizar a limpeza dos estábulos e desenvolver iniciativas de mitigação. Em conjunto com a Embrapa, buscamos alternativas para minimizar esse impacto, uma vez que não existe solução definitiva de curto prazo para a questão.
  • Independência econômica dos municípios: a instalação de nossas Unidades em municípios no interior de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo pode fazer com que as economias locais tornem-se dependentes de nossas atividades, o que potencializaria impactos negativos com a redução ou paralisação das nossas atividades. Para diminuir esse risco, investimos no programa Energia Social, que estimula o desenvolvimento econômico regional e a qualificação profissional dos moradores locais.
  • Crescimento ordenado e custo de vida: a construção de novas Unidades Agroindustriais pode ocasionar desestabilização socioeconômica de municípios pequenos, devido a fatores como chegada de novos moradores e aumento do custo de vida. Para minimizar esses riscos, contamos com o programa Energia Social para investir em atividades produtivas em nível local e fomentamos a inclusão do poder público e de lideranças da Comunidade em um modelo de governança participativa dos investimentos sociais.
  • Controle de agroquímicos e da vinhaça: para evitar a contaminação do solo e de corpos hídricos, seguimos rígidos parâmetros normativos que limitam a quantidade de substâncias químicas aplicadas nos canaviais e possuímos procedimentos de inspeção e manutenção preventiva dos equipamentos e instalações, com o objetivo de impedir vazamentos de vinhaça. Além disso, nossos Integrantes são capacitados para agir emergencialmente, garantido uma resposta ágil e efetiva a esse tipo de ocorrência.

Créditos

Responsável por Sustentabilidade | Mônica Alcântara
Responsável por Comunicação Empresarial | Andressa Saurin
Consultoria GRI e Redação | Usina82
Projeto gráfico | Versal Editores
Desenvolvimento web | Agência Dinamite
Fotografia | Anderson Meneses, Eduardo Moody e Lourenço Furtado

Agradecemos a todos os Integrantes da Odebrecht Agroindustrial que participaram da elaboração desta publicação.